Google+ Followers

sexta-feira, 11 de julho de 2008

poemasmeus- onomedarainha




resume no pulso
o que leva na toda exuberância;
sai de planetas em átimos, reconstrói,
delicia-se;
mas planta sustos e afugenta cavalheiros,
rompe armaduras, mastiga armas;
celebra ares imaginários,


e entre lanças e abraços,
por trás da escarpa franca
do sorriso unânime,
carrega muito no dentro
a ínfima caixa, diminuto arcabouço,
com a tulipa guardada;

antes que esperar a oferta,
tem ela,
a flor aberta
que ninguém lhe ofereceria.

Nenhum comentário: