Google+ Followers

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

poemasmeus 008

não há cenário para ti;

não saberia desenhar-te

nalgum planeta de cores desconhecidas,

nem poderia repousar-te

nalgum canto

interessantíssimo do mundo;



és a inquisidora dúvida,

deliciosamente,

convencida e lívida;



mordo-me os minutos,

minutos são

minhas horas de pena,

apressa-me o pulso

nesta vida pequena,

senhorita, pequena senhorita

resgata o poeta , respira meu ar,

come da boca que grita;

se não posso-te hoje

aposso-me da escrita,

minha agonia é derramada

por cima de flores secas;



quero tuas dores miúdas

e teu armário imenso,

perder-me em tuas roupas

seria meu delírio imediato;

palavras em desencontros

tu és

a minha avessa;

aparição que amo e beijo

em minhas mentes inquietas;

pousa-te em mim,

adona-te

de minha lentidão

às pressas.

Nenhum comentário: