Google+ Followers

sábado, 29 de março de 2008

poemasmeus-371

o enorme hiato do tempo,
aceleradíssimo,
ainda que gigantescamente longo,
aniquila os sentidos todos da existência,
ao final, não há sono,
o que teremos
é a não memória náufraga
nalgum abandono
de tentavivas.

Nenhum comentário: