Google+ Followers

quinta-feira, 6 de março de 2008

poemasmeus-212

no passo fugidio do tempo
urge o som
de castanholas densas, brindes, copas,
a balbúrdia é vermelha, a alegria amarela,
todo abraço é uma capa,
vai o touro, vem espada,
foge ao laço, investe forte,
levanta as gentes todas
escaldadas de branco cal,

sou mais do que seu olho pode ver

olé,olé,olé,
nada mais, nada além,
tudo lá.

Nenhum comentário: