Google+ Followers

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

poemasmeus 3340888

por debaixo da pele toda
ela arde;
que de ventos e medos treme
a alma covarde por vê-la;

vai de galope
o desejo bruto e bruto e lindo;
sua nuca tece o cabelo
da espera afligida;

que nem mil bocas
assim
me morderiam as palavras:
estar nela dentro é anterior
à escolha.

Nenhum comentário: