Google+ Followers

sábado, 7 de março de 2009

O MANIFESTO HIPERCÍNICO



Burilado ao longo de anos e ânus de leituras variadas, conjecturas, exercícios filosóficos, momentos autofágicos e em dias nublados, temos, por fim, o manifesto hipercínico. O grande compêndio dos poucos sobreviventes do livre-pensamento, o testamento raríssimo da inteligência plasmada na blogosfera, tão habitada por canalhas de plantão e quadrúpedes bipedários.

Aqui lhes brindo com uma amostra daquilo que ainda será.

MANIFESTO HIPERCÍNICO

Franz Ketrupp

Ao lançarmos o Movimento Hipercínico de BH (podia ser Beverly Hills, mas é só Belo Horizonte mesmo) para o mundo, estabelecemos aqui, solenemente – ou não – nosso Manifesto Hipercínico, nossa Carta de Princípios Hipercínicos e nossa lista de Enunciados ou Proposições Hipercínicas – esta última ainda aberta a contribuições:

Aqueles um pouco mais letrados irão reconhecer facilmente nos enunciados seguintes alguns empréstimos, referências, contribuições involuntárias (também conhecidas como plágio) e citações mais ou menos literais de Nietzsche, Heidegger, Descartes, Derrida, Shakespeare, Garfield e outros potenciais hipercínicos que estão sendo aqui – à maneira dos Mórmons – recuperados postumamente pelo e para o Movimento Hipercínico.

Os menos letrados não devem perder tempo lendo o que se segue.

É de máxima importância começarmos por esclarecer que o Movimento Hipercínico despreza os seguidores de qualquer movimento. Sendo assim, caso chegue a conquistar a adesão de mais de seis seguidores, o Movimento Hipercínico irá se autodissolver imediatamente, pois nada que interesse a mais de meia dúzia de pessoas poderá jamais interessar ao hipercínico. Portanto, o eventual e improvável sucesso do Movimento Hipercínico será causa cabal e definitiva de seu fracasso e terminação.

CARTA DE PRINCÍPIOS HIPERCÍNICOS

Princípio 1º:

Nunca acredite em nada.

Princípio 2º:

Por coerência (se é que isso é importante para alguém além de um intelectual de esquerda) com o Princípio 1º, não leve a sério o Princípio 1º.

Princípio 3º:

Não há verdades, apenas perspectivas.

Princípio 4º:

Contradiga o Princípio 3º elaborando a sua própria lista de verdades indiscutíveis. Comece com algo como: “A burrice existe, e muitas vezes é letal”.

Princípio 5º:

Para qualquer afirmação, é mais importante que ela seja bela do que verdadeira.

Princípio 6º:

Só o que é belo é verdadeiro.

Princípio 7º:

Só para espezinhar o Princípio 6º, faça sua própria lista de horríveis verdades.

Princípio 8º:

Retorne ao Princípio 3º.

Princípio 9º:

Penso, logo penso que existo. Mas não tenho certeza.

Princípio 10º:

Não é importante ter certezas.

Princípio 11º:

Há dúvidas quanto à veracidade do Princípio 10º.

Princípio 12º:

Toda ação é inútil, mas é melhor que os outros não saibam disso.

Princípio 13º:

Em bom Português, ser ou não ser é uma mera questão de estar ou não estar.

Princípio 14º:

Nada garante que é melhor existir alguma coisa do que nada.

Princípio 15º:

Não temos garantias de que o Princípio 14º seja procedente.

Princípio 16º:

Todo conjunto coerente de idéias é uma prisão para o espírito livre.

Princípio 17º:

OVNIs e espíritos livres não existem.

Princípio 18º:

Quanto mais uma argumentação soa convincente, mais ela tem chances de estar errada.

Princípio 19º:

Nada mais perigoso do que alguém que acha que está certo.

Princípio 20º:

Por precaução, não esteja certo quanto ao Princípio 19º.

Princípio 21º:

A convicção sempre se baseia na falta de informação.

Princípio 22º:

Não temos informações suficientes para corroborar o Princípio 21º.

PROPOSIÇÕES HIPERCÍNICAS

  1. O Movimento Hipercínico acredita que a vida surgiu por mero acaso, e o Homem por mero azar.

  1. Para o hipercínico, a Eternidade já seria por si só um inferno.

  1. Ao contrário de seu ilustre precursor da Antiguidade, o cínico Diógenes, que com sua lanterna acesa procurava em plena luz do dia o Homem honesto, o hipercínico moderno prefere tatear às cegas no escuro em busca da mulher – que nem muito honesta precisa ser.

  1. O hipercínico veste a carapuça e admite que todos os homens são iguais. Mas justifica tal fraqueza dizendo que, já entre as mulheres, algumas são muito melhores que as outras.

  1. Para o hipercínico, não há como traçar uma linha divisória clara entre a auto-estima e a falta de autocrítica.

  1. Cultura inútil também é cultura.

  1. Toda cultura é inútil. Já pregos e martelos são muito úteis.

  1. Cultura é coisa para ignorante.

  1. Ao contrário do jovem e dinâmico executivo, que é cheio de planos e projetos, e movido a desafios, o hipercínico é inativo por natureza, e mantém a mente vazia enquanto percorre com o olhar perdido a imensidão do cosmos... Mas os resultados a longo prazo são os mesmos.

  1. Só existe sexo pago. O casamento é uma espécie de financiamento a longo prazo.

  1. Não existem restrições éticas ao sexo mutuamente consentido entre adultos; somente restrições estéticas.

  1. O abismo existencial entre duas individualidades só é transponível (e mesmo assim apenas simbolicamente) se uma das individualidades comer a outra, ou vice-versa.

  1. A vida é o que a gente faz para passar o tempo enquanto espera a próxima trepada.

  1. Para o pobre, ônibus lotado já é orgia.

  1. Não existe tal coisa como sexo na 3ª idade. Aliás, a rigor, não deveria existir terceira idade – se por mais não fosse, já pela estupidez da expressão.

  1. O hipercínico não entende por que a longevidade é tomada como índice de qualidade de vida.

  1. Viver pode arruinar a sua saúde.

  1. A vida é uma condição patológica sexualmente transmissível e fatal em 100% dos casos.

  1. Quando está tudo bem, a vida é apenas chata. Mas tragédias sempre podem acontecer.

  1. Nenhuma situação é tão ruim que não possa piorar.

  1. A esperança do hipercínico é que a morte o leve antes que algo de ruim aconteça.

  1. A esperança é a última que morre. A gente morre antes.

  1. A vida social é uma espécie de trabalho não remunerado.

  1. O egoísta é um sujeito que não pensa em mim.

  1. O pior cego é aquele que faz força para enxergar.

  1. O corajoso é um sujeito sem noção de perigo.

  1. A experiência é aquilo que nos permite reconhecer um erro toda vez que o cometemos novamente.

  1. O ‘homo ideologicus’ é uma involução do ‘homo sapiens’.

  1. A direita é o mal ocupando o lugar do mal. A esquerda é o mal ocupando o lugar do bem.

  1. A essência do poder está em se colocar no lugar de concedê-lo, e não na posição de reivindicá-lo ou disputá-lo.

  1. O marxismo é uma doença do intelecto.

  1. O marxismo era o ópio dos intelectuais, que agora preferem o verde.

  1. A política é um espetáculo de má qualidade dirigido ao vulgo, e apenas o vulgo por ela se deixa atrair.

  1. A maior vantagem de ser um político é que o sujeito já não corre mais o risco de morrer antes da hora.

  1. O único poder a que o hipercínico aspira é o da sedução. Mas, para seu azar, não há nada mais sedutor do que poder, fama e dinheiro.

  1. Não é que as pessoas tenham ou construam seu próprio conjunto de opiniões. Elas são, ao contrário, "capturadas" por conjuntos de opiniões autoreplicantes gerados pela linguagem - máquina de produzir discursos que, uma vez criados, saem à procura de uma cabeça onde habitar.

  1. O inferno são os outros. Todos os outros.

  1. Devia existir um inferno só para quem acredita nele.

  1. Se Deus existisse mesmo, ele já teria feito há muito tempo um 'recall' da Criação, dados os evidentes defeitos de design.

  1. Como destino turístico, o Vaticano é de longe o favorito do hipercínico, por ser o único museu do mundo em que as múmias andam e falam.

  1. Acontecem infinitamente mais abortos espontâneos do que provocados. Donde se conclui que a Natureza é o maior abortivo que existe. A quem o Papa deveria culpar por isso?

  1. A fé é a capacidade humana de acreditar em algo mesmo sabendo que não é verdade.

  1. Não existe gratidão. Ninguém gosta de ficar devendo nada a ninguém, muito menos gratidão.

  1. O que seria da ingratidão se não fossem os ingratos? O grande drama humano ficaria privado de um de seus elementos centrais.

  1. O conhecimento é sempre limitado. Já a ignorância é infinita.

  1. Não há título acadêmico capaz de impedir que um imbecil o continue sendo.

  1. O poliglota é o sujeito capaz de falar a mesma bobagem em várias línguas.

  1. Se você se acha um gênio, tem 99% de chance de estar enganado. O 1% restante está na margem de erro.

  1. O Movimento Hipercínico é estritamente ateu. Mas paganismo pode. Especialmente na forma de ritos sacrificiais coletivos em louvor a Eros e Vênus, com ampla participação de bacantes em êxtase.

  1. Os hipercínicos acreditam que a melhor maneira de preservar a natureza é deixar tudo se deteriorar a ponto de tornar impossível a vida humana sobre a Terra. O Planeta ficará bem melhor sem nós.

  1. Por tipicamente não fazer nada, o hipercínico está moralmente muito acima da média da humanidade, que se dedica ativamente a infernizar a vida uns dos outros.

Nenhum comentário: